Homofobia e ignorância: carta a Zero Hora

Hoje é Dia Mundial de Combate à Homofobia. Protestos e comemorações lembram o dia 17 de maio de 1990, em que a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade do Código Internacional de Doenças.

É no mínimo irônico que a coluna de Paulo Sant’Ana em Zero Hora trate as lésbicas como “os sapatões” logo nessa data, e confunda travestis, transexuais e homossexuais exatamente no ano em que o tema para discussão é a transfobia, preconceito contra transgêneros.

Aqui em casa já vínhamos cogitando cancelar nossa assinatura da Zero Hora. Esse texto ofensivo e homofóbico de Paulo Sant’Anna é só o empurrãozinho que faltava.

É difícil organizar os pensamentos quando a indignação chega ao nível que sinto agora. Nessa hora, o melhor que faço é colar o e-mail que a Germana, minha esposa, escreveu para o jornal.

Boa noite.

Primeiramente gostaria de dizer que espero, sinceramente, que esta opinião sirva para que haja, ao menos, uma discussão acerca do que se publica no Jornal Zero Hora.

Sou assinante há mais de um ano e meio, e amanhã pela tarde cancelarei minha assinatura, pois fui profundamente ofendida pela coluna dominical do Paulo Sant´anna no dia de hoje, 17.05.2009.

Ao tratar de uma tema que o referido colunista, claramente, não domina, ele cai no erro comum de não entender a diferença entre homossexuais – pessoas que sentem atração por pessoas do mesmo sexo -, e transexuais – pessoas que não se sentem à vontade com o corpo que possuem, desejando assim pertencer a outro gênero.

Tudo bem, é um erro comum. Agora, tratar de homossexuais femininas com termos chulos, insinuando que todos os homossexuais são sem vergonhas e vão transar sem critérios dentro do presídio (coisa que é corriqueira entre os presidiários heterossexuais, como é sabido por todos), passa – E MUITO – dos limites.

Antes de tudo, a Zero Hora não deveria jamais permitir que se publicasse uma coluna com tantos termos ofensivos. Vocês não deixariam passar um coluna falando dos “crioulos” ou “judeuzada pão-dura”, não é mesmo?

Por que a diferença de tratamento, então?

E isso me leva à minha decisão de cancelamento da assinatura: se um colunista pode falar deste jeito ofensivo e baixo numa coluna dominical, logo a mais vendida, então é porque considera os gays como cidadãos que não merecem respeito. E, sendo assim, vocês não merecem mais o meu dinheiro, o meu tempo, e meu respeito.

Sinceramente, espero que esse e-mail seja lido, e principalmente seja levado à sério, pois vocês deram essa mancada justo no dia de hoje, que se comemora a luta mundial contra a homofobia.

E sobre isso eu não li nada, nem uma notinha.

34 respostas para Homofobia e ignorância: carta a Zero Hora

  1. mary w disse:

    ai, que bom que vc escreveu essa carta. obrigada mesmo.

  2. tati disse:

    Muito legal a sua atitude.

  3. Cláudio disse:

    arrasaram! velho fascista.

  4. Cesar disse:

    Falou bem. Parabéns !

  5. Excelente! Mais pessoas deveriam fazer como voce. Abracos.

  6. Alexis disse:

    Caro senhor !

    No início do seu texto o senhor observa: “…a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade do Código Internacional de Doenças…”
    .
    Esclarecendo: Em um protesto ocorrido em maio de 1971, onde se realizava uma conferência de membros do alto escalão da APA, um microfone foi tomado da mesa e dado a um ativista homossexual, que se encontrava no lado de fora do local onde se realizava a conferência, e este bradou:

    “A Psiquiatria é o inimigo encarnado. Ela engajou-se em uma incansável guerra de extermínio contra nós. Vocês devem entender isso como uma declaração de guerra… Estamos rejeitando-os como nossos donos”.

    Ninguém levantou objeção alguma, fazendo com que o DSM começasse a repensar a nomenclatura do homossexualismo como desordem psiquiátrica. O comitê se encontrou formalmente e rejeitou tal mudança. O movimento gay agiu rapidamente e, em 1973, o NGTF (National Gay Task Force) comprou a mailing list dos membros da APA e enviou a cada um deles uma carta apelando pela mudança na nomenclatura.

    Embora a NGTF tivesse um papel central nesse esforço, decidiu-se:

    (1) não transparecer que a carta fora escrita ao menos em parte pelo NGTF e

    (2) não revelar que a distribuição fora financiada por contribuições que o NGTF levantou. Realmente, a carta tinha toda indicação de ter sido concebida e enviada por aqueles psiquiatras que originalmente a assinaram. Embora cada signatário negasse publicamente qualquer papel na farsa, ao menos um deles alertou, em privado, que reconhecer o papel da comunidade gay na organização teria sido o beijo da morte.

    Não há dúvidas, no entanto, sobre o grau em que os oficiais da APA estavam cientes de ambos, as origens da carta e sua forma de distribuição. Eles, bem como a NGTF, entenderam que a carta teve papel fundamental no esforço de voltar atrás na mudança.

    O fato de que a maioria dos membros da APA, que responderam, terem votado pelo apoio às mudanças na classificação do homossexualismo, levou à decisão do Board of Trustees de mantê-las. Mas na realidade somente um terço dos membros da APA respondeu. Quatro anos após, uma pesquisa do periódico Medical Aspects of Human Sexuality mostrou que 69% dos psiquiatras não concordaram com a alteração e ainda consideram o homossexualismo uma desordem.

    Dois anos após, a Associação Americana de Psicologia tomou a mesma decisão.

    Em outras palavras, autoridade equivale à pressão política, ameaças, chantagem e suborno. E essa parece ser a origem da autoridade com que o movimento gay brasileiro se firma para impedir qualquer tipo de indagação no campo psiquiátrico com vistas ao entendimento e tratamento dos muitos casos conhecidos de homossexuais que sofrem com essa condição e buscam auxílio.

    Já quando o movimento gay põe suas patas sobre duas áreas do conhecimento humano, a psiquiatria e a psicologia, nossos iluminados calam-se, pois parece que há temas tabus aos nossos cientistas e juízes, ao que eles costumam chamar “trevas do obscurantismo”.

    Assim como sindicatos e partidos políticos que não querem ver seus membros se afastarem e querem aumentar seus quadros e dependentes, o movimento gay age rapidamente para tentar calar qualquer oposição.

    • ah claro, sr Alex…existe um complo mundial para a dominação do homossexualismo. onde é que eu li isso antes? ah sim, entre cristãos, especialmente os fanaticos e fundamentalistas sobre um complo mundial para a dominação do satanismo.
      teoria de conspiração não cola.

  7. Alexis, sempre me da pena quando vejo pessoas como voce brandando ignorancia por ai. Pelo jeito, voce nunca foi a paises como o Canada, a Inglaterra, a Suecia – onde pessoas gays podem se casar, adotar filhos, terem direitos civis iguais a pessoas heterosexuais. E porque? Porque nao sao vistos como pessoas doentes, mas pessoas iguais a voce e eu. Pessoas normais que nao escolheram sua sexualidade (voce escolheu a sua Alexis?)

    Engracado como estes paises tambem sao considerados pela ONU como os melhores para se morar no planeta…

    Por favor leia mais livros Alexis. Se informe. Pare de viver com a cabecinha fechada para o mundo real.

  8. […] que afinal justifica esta diretriz estúpida? Aparentemente ninguém sabe, porque ninguém diz. Este blog chamado “Homomomento” fica irritado com o Paulo Sant’ana e publica uma c…, avisando o motivo pelo qual a esposa do autor vai cancelar a assinatura do jornal: “se um […]

  9. bortomoon disse:

    Isso (preconceito) ainda vai demorar muito tempo para mudar. A ignorancia do povo é enorme e ainda acreditam que estao certos.

  10. Alexis disse:

    Senhor “Roque Santeiro”

    Tenho 62 anos, estou na reserva do EB (aposentado), vivo na Itália desde que me aposentei, conheço o Canadá, praticamente todos os EUA onde estudei, quase toda a Europa, grande parte da Ásia, África, etc.
    Fiquei mais de uma semana viajando pela trans-siberiana, e mais uma semana durante o retorno, dormi em mosteiros em Meteora e caminhei, em plena Aurora, pelas ruas da antiga Pérsia (hoje, Iran), lendo os versos do Rubáiyát de Omar Kháyyám, enquanto ouvia a lamentação do orador ser transportada pelo vento que passava entre os minaretes.

    Caminhei por toda Inglaterra e pela antiga península ibérica, para entender o domínio romano na região e vivenciar a emoção das batalhas travadas pelas legiões romanas contra Breno à frente dos Celtas.

    Dormi próximo às pirâmides, tentando entender como poderia ser Imhotep capaz tamanha genialidade que, ao que tudo indica parecia, assim como os gregos, conhecer as maravilhosas possibilidades do uso da divisão áurea

    Assim, posso dizer que o senhor está redondamente enganado em sua afirmação falaciosa que tenta passar aqui a idéia de que o homossexualismo seja preferido e não preterido ao desejável heterossexualismo, e também, a sua falaciosa intenção em desmerecer o qu eu escrevi, tentando colocar este que escreve na posição de ignoranet e iletrado. Desista !!!

    Desde a antiga Grécia (basta ler Ética Nicomachea de Aristóteles ou As Leis de Platão para saber o que digo), o homossexualismo é tido como vetor de doenças, de promiscuidade, de enfraquecimento da moral, de subversão da natureza e de comportamento não desejado, fato comprovado na própria Paidéia que trata da formação do homem grego.

    Atualmente, a França que parecia dar sinais de consentimento às reivindicações dos ativistas homessexuais – isto se deve, entre outras coisas à admiração que nutriam por Michel Foucault, até o momento em que souberam que este senhor havia assinado o manifesto em favor da pedofilia, o mesmo que hoje faz o senhor Luiz Mott – passou a rever seus conceitos e, no ano passado passaram a negar o direito de adoção por parte de duplas homossexuais (não me atrevo a falar em casamento, já que pesquisando a origem da palavra, chegamos a MATRIMÔNIO, do latim MATRIMONIUM, ato de união entre um homem e uma mulher). Mesmo porque o casamento é ditado pro um imperativo biológico a escopo de perpetuar a espécie, algo impossível no caso de uma união homossexual.

    A Espanha também está disposta a rever conceitos que, há alguns anos, foram tidos, à luz da comoção que o assunto suscita, como normais reivindicações dos ativistas homossexuais e que há algum tempo, vem criando problemas sérios nas famílias espanholas.

    Como moro na Itália, devo dizer que aqui a coisa é bem pior para os homossexuais. Era um dos países preferidos por travestis brasileiros devido a lei branda que tolerava sua presença. Mas com a lei atual, revista e decretada há poucos dias, muitos estão sendo deportados. Além disso, apesar de ser um estado independente, o Vaticano se encontra no coração da península e o Papa ainda tem uma influencia muito grande nas decisões políticas do país. Tanto é que o ex-primeiro ministro Prodi perdeu seu cargo justamente por, entre outras coisas, defender aberta e ativamente a união de homossexuais.

    Prezado senhor ! Gostaria de recordar que não está lidando com alguém desinformado, inculto, ignorante e simplório como acredita. Assim, por favor, evite fazer pouco da minha inteligência.

    • Prezado Alexis, voce escreve bem e realmente apresenta sua informacao como se fosse informado e culto… mas nao ingana ninguem! Voce é ignorante sim senhor! Como nao poderia ser, quando escolhe o que quer ver e ignora outros fatos? Quando pega uma pessoa do mundo gay e julga os outros como se fossem iguais a essa pessoa? Se uma travesti brasileira trabalha na Italia de prostituta, isso nao quer dizer que todas as outras tambem sao prostitutas. Uma mulher heterosexual prostituta faz todas as mulheres virarem putas tambem? O mesmo vale para a pedofilia (alias, que é um problema muito mais grave no meio heterosexual). Voce tem que parar de julgar as pessoas pela sexualidade delas e tentar ver a verdade, que cada um tem um codigo moral complexo baseado na historia dela. Existem gays que sao promiscuos e existem gays que nunca transaram com ninguem. E assim vai. As pessoas sao muito mais distintas e diferentes do que voce imagina.

      Eu quero que voce preste atencao no que eu vou dizer: estamos aqui (todos do mundo LGBT) e NAO vamos parar de crescer e ganhar os nossos direitos. Nao adianta gritar, esbravejar, xingar… voce esta do lado do time que vai perder. Entao procure se informar um pouco mais. Tente conversar com as pessoas inves de julga-las com o uso de livros sebosos que encontrou no seu porao. Vai se sentir mais feliz. Vai perder essa raiva que carrega no peito, que te deixa cego para a realidade.

  11. Álex disse:

    Gostaria de parabenizar pela iniciativa do blog!
    S slogan em especial me chamou bastante atenção, sou indignado com os estereótipos do mundo gay, em especial a apelação sexual. Ainda não conheço um site brasileiro que trate o movimento com foco em políticas públicas e garantia de direitos sem as clássicas fotos eróticas ou matérias sobre sexo.

    Abraços,
    vou acompanhar o blog.

  12. Isabela disse:

    Enviei um e-mail para lá também, assim que li a notícia. Que furo desse colunista. Também fiquei chateada pelo descaso. É uma pena por ser informação veiculada erroneamente sobre a comunidade LGBTIQQ.

    No blog Deus lo Vult eu fiz um comentário certa vez, e o Jorge Ferraz soube retribuir argumentos mesmo dentro da visão tradicionalista-cristã dele. Acho que precisamos fazer isso mesmo. Mostrar que somos normais, que nossos processos são naturais. Desmistificar a realidade. (http://www.deuslovult.org/2009/02/17/a-imposicao-da-cultura-gay)

  13. Renato Pena disse:

    Alexis,
    Parece-me que procura nos recantos mais conservadores do primeiro mundo um lugar para adormecer sua tese, que envelhece com você.
    Truffaut dizia que toda obra é boa, na medida que imprime o homem que a criou. E acho que o inverso é verdadeiro também: vindo tal sentença acima de um militar, talvez o ser médio mais ressentido.
    Mas nem é por isso. Nem é por morar na Itália de Berlusconi. Mas por acreditar que a promiscuidade e, pior, a pedofilia são inerentes à condição homossexual é de uma igenuidade a toda prova, talvez porque militares, políticos e toda a estrutura de sua moral – que tanto defende, não passou pela perseguição histórica, promovida – vejam só! – por militares, políticos e militares.
    Fica aí acreditando que o perigo está no gueto gay e deixem suas crianças com a normalidade que circula na sua rua. Porque se sabe agora que o perigo desse tipo está no desvio psicológico de heteros e, porque não, de gays também, mas muito mais associado a gente que se esconde e vive dilemas de personalidade que nunca são revelados, nem após… nem após 62 anos, nem após… nem após uma longa carreira no EB.
    Faz lembrar a cena asfixiante do (adivinha!) militar de “Beleza Americana”, aquele que nega o ímpeto que o faz querer o seu igual. (é o tal do Complexo de Aquiles – já que trata da antiguidade, com propriedade -, onde o guerreiro – militar – tem a desculpa de ir à guerra por causa de uma mulher – Helena -, mas que, na verdade, quer ser cantado em aedos e rapsodos pelos homens. Quer ser o mais viril. Daí veio Freud e disse: o meu é maior que o seu…)
    Mais recente, um documentário norte-americano de um heterossexual aponta os políticos (maioria de republicanos) de completa aversão gay, mas que circulam nos banheiros públicos, tentando fazer, nas sombras, o que nega e persegue.

    Negar e perseguir. Taí um verbo que os gays não conjugaram em nenhum momento de toda a formação de sua moral.

  14. Alexis disse:

    Aos senhores Renato e “Roque Santeiro”.

    Prezados !

    Não existe “moral gay” ou qualquer outra que seja diversa daquilo que a raiz da palavra contém !!! Esta observação chega a ser ridícula, despropositada e sem sentido.

    O conceito de MORAL independe do conceito de costume e de cultura. Depende, muito mais, do concreto conceito de civilidade e do abstrato de consciência. Aquela que diz ao indivíduo que seu gesto, seu comportamento, sua conduta são errados, ou que pelo menos lhes imputa a dúvida ao questionarem suas ações.

    Se uma determinada tribo adota o costume de extirpar o cllitóris de suas meninas, isto não significa que seja correto e nem cabe a justificativa de que não devemos intervir para acabar com essa barbaridade.

    Não entendo como uma nação possa evoluir sem valores morais. É absurdo e peca pelo risco da subversão da própria natureza humana, possibilitando a que se abram portas que conduziriam a humanidade a um caos irreversível que, certamente, culmimaria numa guerra, num conflito de proporções desastrosas. Pode parecer exagero, mas não é. Basta conhecer bem a história da humanidade.

    Sei que muitos daqueles que não tiveram a oportunidade de estudar os grandes pensadores, acabam por desenvolver uma repulsa ao termo porque, desde crianças, se acostumaram a ouvir: “Você é um moralista”, ou pior: “Você é um falso moralista” ou “você é só um chato moralista”. Assim, acabaram por associar a MORAL a algo ruim, ou pelo menos piégas.

    Para início de conversa, a maioria confunde moral com ética e, mesmo assim, quando consegue discernir uma da outra, ainda confunde MORAL substantiva com MORAL adjetiva.

    Como substantivo, o termo deriva do latim MORALIA e se aproxima muito do conceito de ética.

    Como adjetivo, deriva do grego e tem a função de MORALIS no latim, estando intimamente ligada ao conceito de juízo, conduta e passível de julgamento.

    Outros confundem MORAL com um dogma, associando a palavra a um conceito meio abstrato e indesejado, imposto por D-us.

    Ora, Hugo Grotius já havia deixado bem claro que mesmo na ausência de D-us (a dita moral laica), as normas que regem uma civilização não deixam de existir.

    O conceito de moral não é adquirido. Nasce com o ser civilizado como um código de conduta, através de padrões pré-estabelecidos, no “hardware” humano e muito mais que o seu ou o meu desejo de querer ou de fazer, encontra-se acima da sua desviada crença que talvez exista uma conduta que dependa da sua vontade.

    Dito isso, gostaria que aqueles que usaram o termo MORALISMO como se essa variante fosse depreciativa da MORAL, tentassem explicar como uma sociedade possa viver sem estes valores tão importantes.

    • Alexis, voce escreve sobre as raizes de uma palavra – voce se esconde atras da historia escrita por algums, que representa a visao de uma minoria. Voce se esquiva do que falamos, prefere nao responder ao que lhe mostramos. Voce se mostra sem moral para falar de moral.

      Sinto muito que voce passou mais de 60 anos da sua vida sem aprender nada – fazendo escolhas erradas. Acredito que voce ainda tem muita vida pela frente, que tem escolhas. Torço para voce perder seus preconceitos e se juntar a nós no mundo moderno. Fico triste de ver tanto potencial para sabedoria desperdiçado.

  15. Alexis disse:

    Ok !

    Saindo da semântica e entrando no campo da lógica. Numa concatenação de idéias simples e baseadas em conceitos simples, pode-se concluir com muita propriedade.
    Assim, tente argumentar contra a lógica a seguir ! Mas, por favor, sem a impulsividade, sem emoção e, principalmente, sem a comoção que suas palavras tem transmitido até agora.

    Vamos lá !!!

    ANORMAL

    Definição: Que não é normal, que está fora das normas; contrário às regras; irregular; anômalo.

    NATURAL

    Definição: Relativo ou pertencente à Natureza; produzido pela Natureza ou conforme as leis da Natureza; não provocado pelo homem, espontâneo; ingênito; peculiar; inato; conforme à índole humana; conforme à razão humana; oriundo; provável; presumível; verosímil; próprio; verdadeiro.

    Premissa 1: A natureza dotou as espécies de um aparelho reprodutivo a escopo de perpetuá-las. Desta forma, as relações sexuais, “sob o ponto de vista da natureza” tem finalidade de dar continunidade as espécies. O prazer que sentimos nas relações sexuais é um artifício natural para aproximar dois indivíduos da mesma espécie (não há a necessidade de adentrar no mérito das diversas divisões da biologia) e de sexos opostos, pois ao contrário, a finalidade precípua da natureza se perderia. Entre nós, humanos, o sexo natural passou a ser praticado em períodos diversos, diferentemente das outras espécies. Porém, o príncipio básico da natureza não é quebrado, não se perde. Isso, desde que esta relação continue a se dar entre dois indivíduos heterossexuais, pois tal aproximação, mesmo que não aconteça, celebra a perpetuação da espécie, E ISSO É O NORMAL E NATURAL.

    Premissa 2: A natureza dotou as espécies de orgãos sexuais e órgãos excretores. Os primeiros já estão bem definidos na premissa 1. Os órgãos excretores tem a finalidade de expelir dejetos e as toxinas que o organismo tem a necessidade de se livrar. Sendo assim, a natureza dotou o ser humano de mecanismos tais que possibilitam a expulsão das fezes e da urina. No caso das fezes, a natureza dotou o ânus de uma musculatura voltada única e exclusivamente para “POR PARA FORA OS EXCREMENTOS E SUAS TOXINAS”, e ISSO É O NORMAL E NATURAL.

    Argumento: Desta forma, concluímos que as relações homossexuais são ANORMAIS e NÃO NATURAIS, independente da ótica sob a qual esta anormalidade é vista e abordada, pois depende de um conceitp primitivo e não de vontade ou opinião. Sendo assim a medicina deveria investigar onde reside a ANORMALIDADE DA HOMOSSEXUALIDADE e investigar mais, antes de dizer que não se trata de uma anomalia mental. Desconhecem até os processos que conduzem à esquizofrenia, já que, após tantos anos de pesquisas, continuam a tratá-la com choques elétricos; como então, em tão pouco tempo, afirmar que um comportamento que caminha à margem da esmagadora maioria da humanidade, possa ser normal?
    Em segundo lugar, se este comportamento NÃO É NATURAL, ele corrompe, deteriora ou adultera um processo NATURAL, constituindo-se então em um vício.

    • Entao nos explique Alexis porque que a homosexualidade pode ser encontrada em outras especies da natureza?

      Homosexualidade entre elefantes: http://www.acapa.com.br/site/noticia.asp?codigo=7847

      Homosexualidade aparece em mais de 400 especies animais: http://loverbiboyblog.blogspot.com/2007/11/homosexualidade-no-mundo-animal.html

      A sua definicao do normal/anormal é ultrapassada. Se for estudar oque a ciencia contemporanea pensa a respeito do homosexualismo, veria que sua opiniao não é dividida por pessoas sérias do campo. Se o homosexualismo é tao ruim, porque paises como o Canada, Suecia, Inglaterra, aprovam direitos para pessoas desta sexualidade? Por que os cidadoes destes paises escolheram viver em paz com pessoas que se identificam como LGBT? Por que estas pessoas se mostram cidadoes excelentes para estes paises? Voce se baseia na moral religiosa, que se frima no irracional e não é levada a serio por pessoas com um minimo de inteligencia.

      Novamente, sinto uma sincera tristeza por uma pessoa como voce, que escreve bem e se mostra com potencial para muita coisa boa, estar aqui expondo tanta ignorancia e preconceito.

  16. Cesar disse:

    Desculpe, sr. Alexis, mas seu argumento parece lógico, mas não é. Você comete vários erros, e talvez o principal seja antropomorfizar a natureza, dotando a mesma da finalidade e objetivo que você quer que ela tenha. Nada prova que a natureza seja um análogo de uma pessoa, com ponto de vista, e é muitíssimo improvável que a natureza, caso tivesse algum ponto de vista, teria o seu ponto de vista.

    Não há, nem pode haver, creio eu, argumento que mostre que o comportamento alegado por pessoas de classe média que se declaram heterossexuais é “natural”. A não ser, é claro, no sentido pouco interessante no qual até mesmo apertar o botão do controle remoto é “natural”. O mesmo vale para a “anormalidade”, noção altamente paroquial.

    Quanto à finalidade dos órgãos, pouco sabemos disso. Mas biólogos dizem, por exemplo, que provavelmente o tecido nervoso (cérebro) talvez tenha tido a função primária de resfriar parte do corpo, e depois recebeu a função (secundária) de abrigar a senciência e o pensamento. Você diria que tal acontecimento foi “anormal”? Se foi, então a natureza é anormal pra burro.

    Mas nada disso importa. O que importa é que estamos nesse mundo com nossos corpos cheios de possibilidades de amor e de prazer, e nada a não ser idéias estranhas nos impedem de usufruir dessas possibilidades de amar. Essas idéias estranhas sobre “natureza” e “anormalidade” são fruto da ignorância, no melhor dos casos, ou de tentativas de justificar os próprios preconceitos, no pior dos casos. Em qualquer dos casos, tais idéias precisam ser dissipadas, e isso se faz com conhecimento, esclarecendo as pessoas. E também com tolerância e justiça, virtudes capitais em uma sociedade plural como a nossa.

  17. Renato Pena disse:

    Queria só saber o que move Alexis para nosso convívio. Escondidos atrás da tela do computador, somos muito parecidos, afinal.
    Fico lisongeado, com mente tão adubada por peregrinações pelo mundo, por leituras clássicas e histórias de guerra. Mas a serviço de quê? Talvez nem o senhor Alexis saiba. Talvez tenha encontrado seu maior prazer em mostrar sua sabedoria num blog de discussão de comportamento gay.
    Senhor Alexis, a que veio?

    E ainda bem que temos a liberdade de estar discutindo isso. Em regimes antigos, isso não era possível.

  18. Alexis disse:

    Importante: Não odeio os homossexuais, não faço apologia a favor da violência que, de tanto em tanto, se abate sobre eles. Não me recuso a ser amigo de um deles e nem mesmo concordo que devam ser colocados à margem da sociedade como se fossem monstros do apocalipse.

    Mas, em hipótese alguma, posso concordar com suas reivindicações e com a sua declarada intenção de subverter a ordem pré-estabelecida em uma sociedade que, mesmo aos trancos e barrancos, tem caminhado sob a luz da esperança de um mundo melhor, da preservação da família, dos bons costumes, da ética, do respeito, do pudor, da educação, da estética e do belo.
    Casar, constituir família, educar crianças, etc, são predispostos de uma sociedade heterossexual e esta tentativa em subverter toda uma sociedade, sorrateiramente introduzindo um comportamento desviante em escolas infantis, com livros sobre pinguins homossexuais ou príncipes que se casam e vivem em castelos, é covardia, é mostruoso e deve ser combatido.

    O senhor Luiz Mott é um monstro social, um pervertido que tenta corromper a adolescência, a juventude e nossas crianças em tenra idade, debochando, zombando e conspirando para a instituição da pederastia.

    Não posso admitir que os papéis do homem e da mulher sejam invertidos, mesmo sabendo que esta inversão faça parte de um grupo social difuso que é declarada minoria…sei disso, mas não compactuo da idéia de legitimizar algo que, tenho certeza, irá corromper a sociedade, pondo em risco o futuro dos nossos filhos e netos.

    Em “O Afundamento da Moral”, Schopenhauer observou que o ser humano tende ao egoísmo, à maldade, mas também à piedade.
    Galavardin citou, com muita propriedade, os puros egoístas, aos quais tão indiferente é a felicidade ou a infelicidade dos seus semelhantes, quando está em jogo a luta por seu objetivo. Existem os que sentem prazer vendo o infortúnio ou o sofrimento dos outros. Por outro lado, existem aqueles que se comovem verdadeiramente com o sofrimento alheio, gerando simpatia que, por sua vez, gera a bondade, a piedade, a caridade e os atos inspirdos por estas virtudes.
    A capacidade de sentir o sofrimento alheio dá origem ao ser moral, que se esforça para diminuir a dor e o peso da existência entre os homens. Cada um de nós nasce bom, medíocre ou mau. Mas assim como a inteligência, o senso moral é suscetível de ser desenvolvido pela educação, pela disciplina e pela vontade…tudo aquilo que o movimento gay despreza, combate, repudia e tenta subverter.

    Por outro lado, me ponho um dilema, afinal trata-se de um ser humano e, de acordo com o que escrevi, deveria ser condescendente, solidário e compreensivo diante do seu sofrimento.
    Ora !!! Mas estou sendo !!! Só que não sob a sua ótica, mas sim de acordo com a lógica que me diz ser a sua conduta um vício, um comportamento que, antes ou depois, será responsável pela degradação moral de uma inteira sociedade, destruindo-a como fez com a maioria das civilizações antigas onde prosperou.

    • Engracado que o Canada, sociedade onde pessoas gays tem direitos civis e sao aceitos, nao existe medo nenhum de destruicao da sociedade. Muito pelo contrario: o pais é considerado pela ONU como o melhor para se morar. Educacao para todos. Nivel de vida superior. Tudo que os outros paises querem tambem.

      O Canada é o grande exemplo de como voce esta errado. O Canada mostra como sua ótica esta destorcida.

  19. Alexis disse:

    Por trás da dor, há sempre uma alma
    que sofre, e zombar de uma alma que sofre,
    é uma coisa horrenda.

    Palavras ditas por Oscar Wilde em “De Profundis”.

    Genial, não ? Também acho e concordo plenamente com o que disse e lamento que estas palavras tenham sido escritas sob o mais “puro” sentimento, sob a dor de um sofrimento intenso e brutal.

    Jamais zombaria do sofrimento de um ser humano! Isto não me impede, à imparcialidade do que ainda resta da minha lucidez, saber a diferença entre uma e outra coisa…entre um e outro ser.

    Sim !!! O.W. era homossexual…como homem, um ser desprezível, como ser humano, alguém com uma alma generosa… sequer ousaria negar a sua genialidade, já que li tudo que escreveu.

    Por outro lado, conheço a fundo sua biografia.

    Pois então, que o seu gênio seja perpetuado, pois isso é bom. Mas que o seu comportamento seja combatido, pois reverenciá-lo seria tão trágico quanto foi sua vida no cárcere de Reading.

    • Oscar Wilde morreu cedo pois sofreu apos ser preso e condenado por sua homosexualidade. Se nao tivesse sido preso por um ato nao entendido por uma sociedade ignorante, quantas mais obras teria escrito! (e voce lido e adorado).

  20. Alexis disse:

    Caro senhor César !

    No dia em que um obstetra, olhando para o que a NATUREZA dotou todos os seres humanos, diferenciado-os em macho ou fêmea, declarar “-Parabéns ! a senhora acabou de dar a luz a um lindo bebê homossexual”, estarei disposto a rever meus conceitos. Enquanto isso não acontece, prefiro continuar com a minha lógica e não com a sua que nem mesmo usando a fuzzy, se possa explicar.

  21. […] Há quem sustente publicamente violências, preconceitos, cerceamento, sofrimento. Há quem procure tão-somente desconstruir essa nocividade. Eu me pego realmente questionando se todos os […]

  22. Lucia disse:

    Que coisa patética!
    O Sr. Alexis, tão inteligente e letrado, não sabe a diferença entre sexo biológico e orientação sexual.
    Fica arrotando cultural e não tem a menor capacidade de refletir e questionar os (pré)conceitos que a sociedade hetero-patriarcal-falocêntrica tenta impingir a todos.
    Sr. Alexis, se interessa ao senhor saber, sou homossexual monogâmica (vivo com a mesma companheira há dez anos), tenho um filho heterossexual que tem desempenho escolar excelente, possui amigos, e é um adolescente feliz e culto.
    Somos felizes, graças a Deus, e felizmente somos tolerantes em relação a pessoas como o senhor, que precisam ser mais solidários, seguindo a orientação de Jesus que dizia que devíamos amar uns aos outros (isso inclui respeito ao próximo). Respeite para ser respeitado, senhor. Entenda que o amor e suas manifestações (contanto, obviamente, que não agrida ninguém psicológica, moral ou fisicamente) é a coisa mais bela que existe neste mundo tão cheio de sofrimento.
    Creio que o senhor está precisando de mais alegria, mais felicidade em sua vida, pois somente pessoas tristes e infelizes se preocupam tanto com a vida dos outros.
    Espero, sinceramente, que o senhor encontre muita luz em seu caminho, para irradiá-la por onde passar.

  23. Melissa disse:

    Engraçado… os homens adoram comer o rabo das suas esposas e isso é normal.

  24. o sr Alexis mui convenientemente cita Aristoteles e Platão…que foram pensadores da Grécia Antiga, onde o hedonismo e a homossexualidade faziam parte da sociedade.
    sr Alexis, reveja seus conceitos. primeiro o sr AFIRMA que a relação homossexual não é “natural”. diante do FATO que tais relações são naturais, o sr MUDA o foco do argumento na reprodução…para alguem que se diz tão viajado, sua milhagem de vôo deve ter sido em cima da maionese… :P

  25. […] um grande incentivo. É válido favoritar esse vídeo e assistir em momentos críticos, como quando pessoas como o Paulo Sant’Anna escrevem absurdos em grandes veículos de comunicação, pra não ter vontade de […]

  26. […] 27UTC Junho 27UTC 2009 · Deixe um comentário Não bastasse o fiasco no dia mundial de combate à homofobia, o colunista da Zero Hora, Paulo Sant’Anna, comete outra gafe um dia antes do Dia Mundial do […]

  27. […] meus parceiros e amigos de blog Pedro Cassel e Carol Maia apresentaram textos repudiando o posicionamento e a qualidade dos textos publicados pelo […]

  28. Lidia Godoy disse:

    AlexisItalia, o que o mundo menos precisa é de mais pessoas. Nossos recursos naturais já estão quase por fim, e quem tem consciência disso, prefere adotar um filho a ter um. Portanto o argumento da “continuação da espécie”, é falho. Ao menos no estado em que nos encontramos.
    O conceito que tens de “anormalidade” se limita a tudo que é contrário aos padrões e paradigmas da sociedade, e o conceito que adquirimos de “anormalidade” na medicina, vai muito além disso.
    Sem delongas, como tens feito em todos os seus posts, apenas lhe indico esse blog: http://madreporito.blogspot.com/2009_12_01_archive.html
    Explica muito bem o que determina a sexualidade e o processo em que se dá.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: