23 de setembro: dia internacional da bissexualidade

Fiquei sabendo da comemoração de hoje pela revista espanhola LGBT AG Magazine. O site da revista conta que a data foi escolhida por marcar a morte de Freud, o primeiro teórico a conceber a possibilidade de existência da bissexualidade.

Foi a 23 de setembro de 1999 que se celebrou pela primeira vez essa data, durante a XXII Conferência Mundial da ILGA (International Lesbian and Gay Association) em Jogannesburgo, África do Sul, e hoje em dia se realizam atividades comemorativas em todos os continentes: dos EUA ao Japão, da Austrália à Europa.

Na sexta-feira da semana passada, o Homomento publicou seu primeiro post sobre bissexualidade, o texto Bi-bi-bi-bi, traduzido da revista mexicana Pride is Dead, que aborda o preconceito sofrido pelos bissexuais tanto na mão dos héteros quanto dos também oprimidos homos. Aproveitamos o dia de hoje para aprofundar essa discussão, abordando alguns dos principais problemas enfrentados (há muito tempo, como podemos ver nessa matéria publicada na revista Istoé em 1995) pelos bissexuais e tentando desconstruir alguns dos principais argumentos contrários à aceitação da bissexualidade.

O problema do sistema binário

É sempre importante lembrar que a construção de uma identidade sexual não depende somente da orientação do desejo. Ainda que não exista uma “escolha” da orientação sexual, a construção da identidade envolve uma influência do meio. O desejo é biológico, mas a identidade é socialmente construída. Por exemplo: os termos “heterossexual” e “homossexual” foram criados no século XIX, mas isso não quer dizer que antes disso não existissem pessoas que se relacionassem majoritariamente com um ou outro sexo. O que não havia era a denominação para um ou outro comportamento frente à orientação sexual.

O desenvolvimento de uma ciência sexual no Ocidente nos últimos séculos tratou inicialmente da sexualidade humana como uma realidade binária: existem homens e existem mulheres, existem heterossexuais e homossexuais. Branco versus preto. Os tons de cinza começam a aparecer com mais clareza quando o sexólogo Arthur Kinsey divulga sua famosa escala, que prevê uma certa gradação no desejo e no comportamento sexual. Com a publicação desse trabalho, em 1948, reconhece-se que não existem apenas dois padrões de comportamento sexual, e a sociedade descobre que a porcentagem de indivíduos que se envolve em relacionamentos sexuais com pessoas de diferentes sexos é bem maior do que se imaginava.

A escala Kinsey, com os graus de orientação sexual e a porcentagem deles na sociedade americana

A escala Kinsey, com os graus de orientação sexual e a porcentagem deles na sociedade americana

Fritz Klein, autor do livro The Bisexual Option, defende que a bissexualidade é um problema para héteros e homos à medida que ameaça a distinção clara entre uma e outra identidade sexual.

As preferências e aversões eróticas dos heterossexuais normalmente não permitem uma compreensão da homossexualidade. Homossexuais também se sentem desconcertados frente à atração por pessoas do sexo oposto. Isso cria dois campos distintos a partir dos quais bandeiras podem ser erguidas. E ainda que possam ser ameaças ideológicas uns para os outros, esses dois campos são claramente distintos. (…) [Um homem] confrontado com um homem bissexual precisa, ainda que inconscientemente, lidar com a possibilidade de que sua própria sexualidade seja ambígua. A razão pela qual ele fica aliviado ao ouvir que bissexuais não existem é que, assim, ele evita seu próprio conflito interior.

O padrão binário, contudo, deixa marcas. Até hoje, há quem não acredite na existência da bissexualidade. Frequentemente, bissexuais são estimulados (tanto por gays quanto por héteros) a “se decidirem”, como se somente as sexualidades homo e hétero fossem possíveis. Essa pressão por uma definição às vezes faz com que algumas pessoas acabem adotando identidades mais fluidas, determinando-se ora héteros, ora homos, afirmando por vias tortas que a bissexualidade não é uma fase.

Bissexualidade e descrédito

Um dos argumentos mais frequentes entre aqueles que dizem não acreditar na bissexualidade, especialmente masculina, é aquele que diz que as pessoas que se autodenominam bissexuais são na realidade homossexuais enrustidos. Recentemente, um estudo (criticado por ativistas LGBTs devido à metodologia questionável e a um posicionamento pouco isento do pesquisador) defendeu esse ponto de vista, negando a possibilidade da existência de homens bissexuais. Esse pensamento é frequente entre gays e lésbicas, que normalmente definem-se como bis na “fase da descoberta” e passam a adotar uma identidade homossexual na idade adulta.

Esse posicionamento baseado na própria experiência ignora, em primeiro lugar, que as sexualidades são diversas (o que me surpreende bastante, quando vindo de homossexuais), e que o fato de alguns homossexuais passarem por uma “fase” bissexual não quer dizer que todas as bissexualidades sejam transitórias. Além disso, é importante ressaltar que a adolescência é uma fase de definição (não só sexual, mas em todos os aspectos) para todos, e a experimentação faz parte desse processo. Por isso, é importante separar a identidade adulta, mais ponderada, das “fases” que caracterizam a adolescência. Usando um exemplo não sexual: eu me identificava politicamente como “comunista” quando tinha lá meus 14 anos. Hoje, com um pouco mais de maturidade e conhecimento, sei que nunca fui verdadeiramente comunista, o que não me impede de reconhecer a existência do comunismo real.

Afirma-se com frequência que a crescente presença de homos e bissexuais na mídia pode “influenciar” adolescentes, especialmente meninas, a experimentarem. Com isso, considera-se a bissexualidade – ou, antes, o comportamento bissexual – como uma “moda”. Essa pecha de “modinha” prejudica tanto bis como homos, mas como falei antes, a experimentação faz parte da adolescência e o melhor a fazer é aprender a lidar com isso. Se a cultura atual cria um clima favorável à experimentação, melhor – acredito que os adolescentes que experimentam hoje são os adultos bem-resolvidos do futuro.

Preconceito duplo

Por parte dos heterossexuais, os bissexuais sofrem os mesmos preconceitos que os LGT. Assim como ocorre com estes, a bissexualidade desafia a heteronormatividade, por conceber atração sexual e afetiva fora da relação com pessoa do sexo oposto. No caso das mulheres, frequentemente a sexualidade bi é aceita e a afetividade não: ao mesmo tempo que existe um fetiche masculino que fantasia com duas mulheres na cama e estimula a mulher a experimentar, uma bissexual que assumir um relacionamento afetivo com outra mulher passa pelo mesmo preconceito enfrentado pelas lésbicas. Essa questão do fetiche masculino evidencia a influência da pornografia na aceitação ou não das bissexualidades. Clarissa Carvalho, bissexual assumida, escreve:

Pode-se transar com uma amiga para excitar o namorado, mas não se pode apaixonar-se por ela. E aí, eu pergunto onde está a tal da “aceitação”? O mais interessante é que a noção de gênero está muito presente nessa forjada e hipócrita “aceitação”. Pois nas fantasias heterossexuais raramente há aceitação de homens bissexuais. (…) Muito difícil é ver relações sexuais entre homens em filmes direcionados a pessoas heterossexuais. Se homem transou com homem, acabou: é gay. Se mulher transou com mulher: obviamente ela só está excitando o expectador/a.

Ou seja: a existência desse fetiche estimula a experimentação por parte da mulher, o que leva a uma aceitação maior de sua bissexualidade, ao menos no que se refere ao sexo (conduzindo, contudo, a outra encruzilhada: quem disse que, por gostar também de mulheres, uma bissexual deve necessariamente querer participar de um ménage à trois?). Quanto aos homens, a mentalidade binária ainda se faz muito presente, e o sexismo determina que existe o macho, e o que foge disso é automaticamente classificado como gay. Isso explica por que o rótulo de “homo enrustido” é aplicado com mais frequência aos homens bissexuais.

Da parte dos homossexuais, os bis são discriminados através do descrédito, como já exposto, e pela ideia de que ao assumirem uma relação heterossexual, socialmente aceita, estariam procurando um meio de fugir da discriminação. Ainda do texto de Clarissa Carvalho:

Quem diz que ser bi é mais aceito é porque não entende o que é ser bi. A questão aqui não é se eu não sou discriminada quando estou com um homem, a questão é entender como que o meu desejo funciona. E te digo, meu desejo não é heterossexual de dia no restaurante com a família e homossexual à noite na boate “GLS”.

Associação entre bissexualidade e promiscuidade

Partindo de uma “normalidade” heterossexual, só é possível compreender as outras sexualidades através do que as diferencia, ou seja, do comportamento sexual. Assim, a explicação da identidade sexual através do desejo leva a uma associação entre sexualidade e sexo, criando uma visão dos não heterossexuais como indivíduos hipersexualizados. Quando a atração ocorre pelos dois sexos, o estigma da promiscuidade se torna maior, e esse é provavelmente um dos principais traços da bifobia.

Assim, é necessário questionar a máxima de que “para bissexuais, todo mundo é um amante em potencial”. Seria a mesma coisa que dizer “para uma mulher hétero, todo homem é um amante em potencial”. Amantes em potencial são definidos pelos gostos e histórias próprias de cada pessoa, e não pela identidade sexual a que ela se atribuiu.

Essa associação da bissexualidade ao comportamento promíscuo leva também a outro equívoco, aquele que diz que “bissexuais nunca estão satisfeitos com o parceiro”, que “sempre lhes falta alguma coisa” e que, em virtude disso, eles traem ou abandonam o parceiro com mais facilidade. Em qualquer relacionamento, seja hétero ou homo, existem pessoas diferentes do parceiro, e invariavelmente haverá alguma atração por outras pessoas, quer se admita ou não. Uma tara por loiros não vai fazer ninguém trair o namorado negro, certo? No caso dos bissexuais, o desconforto em lidar com um parceiro que se admita atraído por pessoas de ambos os sexos, motivado em parte por insegurança e em parte por preconceito, pode acabar sepultando relacionamentos que tinham tudo para dar certo.

O futuro é bissexual

Antes da invenção do termo “bissexualidade”, o que se via nesses indivíduos eram “heterossexuais predominantes com tendências homossexuais”. Hoje, falamos em L, G, B e T, mas as identidades sexuais passam por uma pulverização cada vez maior, incluindo até a possibilidade de não ostentar nenhum rótulo. Isso se torna cada vez mais frequente (e, dizem alguns, essa é a tendência para o futuro) entre pessoas que, ainda que se relacionem mais frequentemente com um ou outro sexo, eventualmente sentem desejo por indivíduos do outro e não veem problema nisso, sem necessariamente assumir uma identidade bissexual.

Existem sim o bissexual da modinha, o bissexual que na verdade é homo enrustido, o bissexual do fetiche. Mas existe também o bissexual adulto, esclarecido, sem preconceitos na hora de se apaixonar e de se relacionar sexualmente. A luta dos LGBTs é, antes de tudo, uma luta contra a heteronormatividade, e não pode se restringir à defesa de uma ou outra identidade. Antes disso, nosso objetivo deve ser a defesa de toda sexualidade sadia, que se manifeste consensualmente entre adultos, sem julgar motivos ou tentar decidir se o desejo do outro é verdadeiro ou não.

(Post escrito com apoio e pesquisa – tão grandes quanto o texto – do Pedro.)

28 respostas para 23 de setembro: dia internacional da bissexualidade

  1. […] 23 de setembro: dia internacional da bissexualidade « Homomento homomento.wordpress.com/2009/09/23/23-de-setembro-dia-internacional-da-bissexualidade – view page – cached Fiquei sabendo da comemoração de hoje pela revista espanhola LGBT AG Magazine. O site da revista conta que a data foi escolhida por marcar a morte de Freud, o primeiro teórico a conceber a possibilidade de existência da bissexualidade. — From the page […]

    • Isa disse:

      Bem eu sou lésbica e cheguei a uma conclusão: se vc não quer se magoar, nunca se envolva com um bissexual, eu me envolvi, acabei sofrendo pq ela era bi e como tal ela era apaixonada por um homem, eu não aceitei a condição de ela ficar com ele, daí, terminamos. Sofri pra caramba, pq é muito difícil vc aceitar que a pessoa que vc ama tem que ficar com outra pq é bi. Não tenho preconceito, mas sim receio, pois eles tem mais chances de ficar com alguém, de te trocar e trair. Depois de várias tentativas com as bissexuais, passei a optar por não ficar mais com elas, pra não correr o risco de me apaixonar e sofrer de novo.

      • CONDE TERRANOVA disse:

        Ta ai o problema do assunto… Não adianta dizer que é um estado “natural” pois não é, um dia na vida a pessoa fica com um ou com coutro, não existe escolha “bi”… Se a pessoa não se fixa, bom ai sinto muito, mas o argumento da promiscuidade se basea aí.

  2. Nina disse:

    Muito bom o texto!! Fez repensar minha postura em relação aos bis E entender porque o CAsos de Familia de hoje era sobre bissexuais! Hahahaha

  3. andré disse:

    maravilhosa a reportagem … eu sou bi assumido, tanto em ksa quanto na faculdade e passo exatamente por esses problemas, tanto com os heteros quanto com os homos … ouço coisas do tipo … “vc so eh bi pq eh sujo e promiscuo”(isso por parte dos heteros), “aaaah querido … bi? bicha né!”(por parte dos gay); vou dizer q naum me incomoda, naum, de fato me incomoda… mas ja aprendi a lidar e eles estao acostumando na força a me ver de vez enquando com uma mulher e numa outra epoca com um homem.
    parabéns e muito obrigado pelo texto

    • Carolina Maia disse:

      andré, fico muito feliz em saber que meu texto te agradou! é um sinal de que estamos no caminho certo!
      acho ótimo que as pessoas consigam viver suas sexualidades sem rótulos, mas no caso dos bissexuais é cada vez mais importante a adoção de uma identidade política, que é o que você já faz. que bom que você é assumido! tornar-se visível é o único caminho efetivo para mostrar para a sociedade que sexualidades diversas existem SIM (até porque parece horrível ver a sua existência sendo negada).

  4. Homem de Respeito disse:

    Achei demais o post.
    Odeio rótulos e tachar alguém como qualquer coisa é rídiculo.
    Uma das coisas que me fazem ter mais dificuldade de assumir é essa. Eu me considero homossexual, tenho atração quase que exclusivamente por homens, mas já aconteceu de eu estando numa balada gay ficar com uma menina. Isso não me incomoda. Gostei dela no momento e isso que importa. Tudo seria mais simples se pudéssemos fazer o que gostamos sem ser questionados ou colocados contra a parede por causa disso.

    • Carolina Maia disse:

      ficou faltando no meu post a escala de kinsey, que não consegui fazer upload (vou tentar de novo agora). e sabe que pessoas com predomínio homo e eventuais experiências hétero são metade dos 10% que consideramos como homossexuais?
      assim como a gente acha legal quando vê um HT “experimentando”, acho que podemos ser mais flexíveis também. legal saber que tem mais gente no mundo que consegue ficar com pessoas do sexo oposto sem prejuízo da sua identidade homo!

    • Paulo disse:

      Eu também odeio rótulos, mas por que somente os relacionados à sexualidade são questionados? Por que ninguém diz “odeio ser chamado de paulista”, por exemplo? Ou então: “tachar alguém de negro é ridículo!”. E mais: ser bissexual também não é um rótulo, oras?

      Enfim, a nossa cultura separa as pessoas em categorias. É assim e não adianta a gente “odiar rótulos”. Sinto muito em ser o mensageiro das más notícias, mas isso não vai mudar. Então vamos parar de nos queixar e lutar para que todos os rótulos tenham os mesmos direitos e o mesmo respeito?

  5. Cláudio F. disse:

    O buraco da sexualidade humana é BEM mais embaixo pessoal. Eu acredito que a sexualidade não seja nem a dualidade homo-hétero e nem a santíssima trindade ‘estanque’ homo-bi-hétero. Na santíssima trindade, há uma graduação, Eu por exemplo estou mais próximo do homo, mas tranquilamente fico com mulheres na balada. Se a mulher tem atitude, chega, não posso deixar na mão. ‘Desculpe mas eu sou gay é foda né?’ Um beijinho prá ela ir contente prá casa é melhor, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Poderia me identificar como bissexual, por lá de vez em quando dar beijo em mulher. Isto, como já dito, é RÓTULO. É convenção social, meramente um nome prá identificar uma ‘coisa’.

    A Teoria Queer (Annemarie Jagose) relata um depoimento de um homem diz ser hétero porque ele só transa com outros homens duas vezes na semana, mas o resto do tempo está com a sua esposa. Ele transa com outros homens, mas é hétero, porque não? Porque só o que os ativistas dizem sobre sexualidade tem que ser correto?

    Cabe salientar que aqui a discussão é orientação sexual, ainda temos o sexo e a identidade de gênero…

    E fica a provocação dos T-Lovers (vulgo ‘Mariconas’). São um critério à parte. E é por isso que eu ODEIO a sigla LGBT, porque ela NUNCA vai englobar todo mundo. Tanto que já foi LGBTTTi, se considerarmos os T-Lovers como categoria à parte, seriam 4 T’s. O ideal seria ALGBTXYZ :)

    • Max disse:

      Queria ver se um homem (gay) de atitude chegasse perto se vc iria ser tao receptivo assim.O que pareceu é que vc nao fica com elas porque quer, mas sim por medo delas descobrirem que vc é gay.Homens como vc sao daquele tipo de escolhem demais outros homens, poe defeitos em todos, mas se esfrega com a primeira baranga que aparece.Tô fora de fora assim!

  6. Carolina Maia disse:

    E está instaurada a discórdia! Viva a desorientação sexual! hahahahahha
    Quanto aos rótulos que o Paulo cita, acho que eles não são TÃO questionados por serem considerados inevitáveis – um negro é visivelmente um negro, e não há como negar o local de nascimento. Falo em “inevitabilidade” porque, ao contrário desses exemplos, o comportamento sexual envolve alguma parcela de livre-arbítrio – ainda que seja impossível mudar a orientação sexual, somos livres para contrariá-la (e inclusive para viver em desacordo com ela, como no caso dos “ex-gays” que assumem uma identidade hétero), e por isso mesmo os juízos de valor se manifestam com muito mais clareza no caso da sexualidade. Onde há livre-arbítrio, é possível questionar. Mas isso não impede que algumas pessoas reivindiquem outras identidades relativas à raça ou naturalidade: Clarice Lispector era ucraniana e se dizia brasileira, e tenho uma amiga que se irrita muito quando tentam graduar a cor dela por ela ser “muito clara para ser negra”.
    Como eu disse em um comentário acima, sou a favor de identidades políticas, porque acredito que sem elas qualquer luta por direitos se torna impossível. É por isso que, embora eu não concorde com a pressão por uma definição/rotulação, eu defendo que os bissexuais se assumam como tal. Se não através da palavra “bissexual”, que é a que eu (que não sou bissexual, ou seja, não apito nada!) prefiro, de qualquer outra forma que rejeite a heteronormatividade.
    Só não aceito que esses rótulos nos limitem. É por isso que a gente tem que separar (conceitualmente) orientação sexual, prática sexual, afetividade e identidade. Embora todas as coisas estejam ligadas, uma não determina a outra. Identidade é o que a pessoa sente e acredita ser – se o cara transa com homem duas vezes por semana e isso não o impede de se ver como hétero, quem sou eu pra dizer quem ele é? Desde que ele não oprima os não-héteros (como é comum em muitos hipócritas autofóbicos – tanto faz se bi ou se homo – que aprontam as suas na camufla mas disparam homofobias em público), isso não é problema de ninguém.

  7. Homem de Respeito disse:

    Resumo da ópera: não importa qual rótulo você receba (sapa, bicha, enrustido, bi, pan), você faz parte de um grupo excluído e com direitos reduzidos da sociedade, portanto, a exclusão mútua é suicídio.

  8. […] conceber gostos, comportamentos e atitudes ditas opostas como presentes em um mesmo indivíduo (o texto que postamos no Dia Internacional da Bissexualidade se alonga nesse […]

  9. […] a possibilidade da bissexualidade. Para quem quiser saber mais sobre bissexualidade recomendo um texto muito interessante do […]

  10. Tiago disse:

    Ai gente,então ja que defendem tanto a extinção dos “rotulos” então nem deveria existir o termo bissexual e ampliar o leque de opções para PANSSEXUAL de vez,ja que podem se relacionar até com animais ou qualquér ser vivo.Fala sério,não existe bissexualidade,existe indecisão.Eu sou GAY e sinto muito orgulho de mim,bissexuais nem orgulho sentem né?hahahaha não sabem do que gostam,coitados!

    • Daniel Henrique disse:

      Oi Tiago, tudo bem? Afirmar que os bissexuais são indecisos é julgar as pessoas sem conhece-las. Claro que existe muito indeciso que diz ser bissexual, ou enrustido que se esconde atrás do termo Bi. Mas a Bissexualidade existe, assim como nós sentimos atração por homens, os bissexuais sentem atrações por ambos os sexos, eles não optaram serem assim. Se nós Gays não mudarmos nossa maneira de pensar e quebrar nossos próprios preconceitos vai ser difícil exigir que os héteros deixem de nos discriminalizar.

    • Julia disse:

      Concordo com vc Tiago! O que existe é indecisão. To fora dos bi’s! Já fiquei com várias bissexuais, e em todos esses relacionamentos foram ruins, fracassados, pq no final elas sempre queriam um homem. É fato, no final elas se casam é com homens mesmo, cito a Angelina Joulie como exemplo. Quero alguem pra casar e não pra um sexo no final de semana. Ainda corremos o risco de pegar doenças deles…

    • Fantasma disse:

      Eu não acho isso, eu sou bi, mas não estou indeciso de nada, tenho namorado e amo muito ele, não vou simplesmente trair ele por causa de qualquer mulher, mas e se o relacionamento um dia não acabar bem ? ( o que eu tenho muito medo T^T ). Eu vou achar outra pessoa, obvio, mas depende do jeito da pessoa, não do sexo dela, se for mulher blz, se durar blz ou se for homem blz, se durar blz…isso não é indecisão!! seria indecisão se eu pensasse : Ah sou bi, vou namorar só mulher, ou vou namorar só homem ?. Ser bi é amar alguém, em realmente amar, independente do sexo.

  11. […] é vista como “meio termo”, percebemos que na verdade os próprios “termos” são bastante questionáveis. No final das contas, mais desconstruímos do que estratificamos ideias. Parecemos ter, acima de […]

  12. Daniela disse:

    LINDO TEXTO >< Perfeito. Raro ver algo assim na internet brasileira. Parabéns!

  13. Edwiges Rabello de Lima disse:

    Olá
    Um bom texto continua rendendo frutos, estamos em 2011 e eu estou aqui lendo-o.
    Quando participei do movimento homossexual sofri preconceito em grupo misto e em grupo de lésbicas. Mas, fizemos história e hoje nos orgulhamos de ver em muitos jovens os frutos do que plantamos: possibilidade de viverem, lutarem, refletirem e questionarem a partir de referenciais e de uma história de luta.
    No auge das discriminações que vivi, descobri uma forma lúdica de responder a quem dizia que eu “estava em cima do muro”: “Não, car@s, eu derrubei o muro e brinco nos dois quintais”. E olhe que derrubar o muro é uma metáfora sobre o peso que isso me custou. Mas, valeu a pena!
    Entretanto, “brincar nos dois quintais” não significa brincar em qualquer quintal. A seletividade é algo primordial e chega um momento na vida no qual assa a ser quase instantânea. Só há atração por pessoas por inteiro, com sua vivacidade, sua ética, seus compromissos com o mundo…
    Neste sentido tenho plena concordância com o seguinte trecho do texto: “Assim, é necessário questionar a máxima de que “para bissexuais, todo mundo é um amante em potencial”. Seria a mesma coisa que dizer “para uma mulher hétero, todo homem é um amante em potencial”. Amantes em potencial são definidos pelos gostos e histórias próprias de cada pessoa, e não pela identidade sexual a que ela se atribuiu.”

    Parabéns pelo texto!
    Edwiges

  14. Aline disse:

    depois de muito pesquisar foi o melhor post q eu li, parabéns, acho que tem de haver conscientização que bissexualidade existe, e essas pessoas merecem tanto repeito quanto as demais, nao dá pra ficar em cima de um muro que só existe na cabeça das pessoas *;

  15. CONDE TERRANOVA disse:

    Tudo é conceto social… Supondo um homem heterosexual que nunca se fixa com uma mulher, o que ele é? Promiscuo…

    Agora supondo uma pessoa “bissexual” que nao se fixa com uma pessoa, seja um sexo ou outro, o que ela é? Promiscua…

  16. carla thainara disse:

    oi sou lesbicas e tou fora d bissexuais,bissexualidade nao existe é safadeza de quem é hetero e quer seguir a modinha do bissexualismo…essas pessoas q se diz bissexual ,é uma vergonha pra nós homossexuais…vcs querem colocar na cabeça das pessoas q bissexualismo existe,mais nao existe,oq existe é homossexual e hetero,mais bissexual nao. eu nunca vou querer uma bissexual na minha vida,tenho nojo de quem é assim,bissexual pra mim é a mesma coisa de ser hetero.
    pra mim o certo é lgt,e tem q tirar o .B.do meio porq bissexual nao existe ,e so envergonha nós homossexuais por ser pessoas safadas q nao sabem oq querem.
    eu sou lesbica e nao sinto atraçao nenhuma pelo sexo oposto,eu tenho é nojo isso sim.
    eu sou LESBICA COM MUITO ORGULHO ,oq vcs bissexuais nao pode ter pois vcs nao sabem oq querem…mais nao tou ofendendo ngm cada um sabe oq faz neh,eu apenas tou falando oq axo.

  17. Max disse:

    Acho “engraçado” é que nunca vejo homens hetero dizendo: ” eu me considero hetero, ou quase exclusivamente hetero, mas fico com homens na balada”.So gays ficam com essa conversinha pra boi dormirÉ o tipo do gay antipatico que escolhe demais os homens, poem defeitos em todos, mas pegam qualquer baranga.To fora de gays assim!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: