Homomento discute a décima edição do BBB

Já faz duas semanas que o assunto da vez, tanto nos sites gays quanto na mídia em geral, é a décima edição do Big Brother Brasil: em especial, a presença de integrantes abertamente homossexuais na casa. A equipe do Homomento, que vem desde então discutindo suas opiniões sobre a questão, quis reunir algumas ideias soltas, sem o compromisso de um texto organizado e coerente. Convidamos todos à leitura e à discussão.

O óbvio ululante: a existência de homossexuais

Acho que o primeiro e mais óbvio ponto é que, bem ou mal, contamos com a presença de três homossexuais assumidos em um programa de altíssima audiência. É interessante compararmos a porcentagem de LGBTs no programa, de 17%, com a estimada para homos no “mundo real”, que varia de 10 a 19% de acordo com o contexto. Sabendo que a escala está mais ou menos correta, nos perguntamos: porque então toda a polêmica? Porque os apelidos como “Big Brother Gay”, se tem tantos lá dentro quanto aqui fora? A questão evidencia o quanto a homossexualidade é deixada à margem das discussões.

Trazendo a discussão à tona do lado de fora

Observar três homossexuais como ratos de laboratório pode ser instigante, e levar as pessoas a questionamentos diversos: “mas o que são homossexuais? Como eles são, o que fazem? Porque fazem? Qual a diferença entre eles e as outras pessoas?”. Por mais que seja condicionada pela edição do programa, essa curiosidade pode ser proveitosa.

61% das buscas na primeira semana de programa foram motivadas pela dúvida em relação a palavra Homofobia

Em um dos programas da primeira semana o participante Dicesar, conhecido como Drag Queen Dimmy Kieer, acusou outro competidor, Marcelo Dourado, de homofóbico. Em resposta, o Homomento foi selecionado para sanar, em diversas buscas, a seguinte questão: “Qual o significado de homofobia?”. Acredito que o post “Sobre a homofobia e seus significados” tenha suprimido a curiosidade de vários internautas, entretanto alguns curiosos mais práticos optaram pelo bom e velho dicionário, fato constatado pelo nosso blog:

O Priberam é o primeiro dicionário nas opções de busca do Google

Lidando com estereótipos

Enquanto Dicésar e Sérgio são gays mais característicos, com comportamento beirando o anedótico, Angélica é uma lésbica discreta e que não dá pinta nenhuma. Em outras palavras: notadamente, nessa edição o estereótipo da bicha é reforçado e o da sapatão já cai por terra. Mas pensemos um pouco além. Como se trata de um reality show longo, o comportamento dos participantes é exibido por semanas a fio, e é possível que os espectadores esqueçam um pouco da caricatura para enxergar as pessoas por trás delas, pondo em jogo vários preconceitos.

A ilha gay e a divisão forçada das tribos

A separação dos participantes em grupos também é intrigante. Não é preciso uma análise muito inteligente para perceber que a divisão não é exatamente lucrativa para os gays. Os LGBTS não criaram vínculos fortes de amizade entre si e preferiram se relacionar com pessoas de fora dos “Coloridos”. Até aí nenhum problema, afinal a intenção é o atrito, a grande falha na nossa visão é a segmentação forçada entre clãs, que reforça estereótipos e valida a marginalização do gay. A impressão do telespectador é que a repartição aconteceu da seguinte maneira “ok, temos três gays, gostaríamos de colocá-los em um nicho segmentado então vamos inventar outra denominação para os moradores que sobraram”.

Um diálogo que acompanhei entre a participante Angélica (assumidamente homossexual) e Cláudia (do grupo “sarados”) serve como exemplo. Na conversa a participante “sarada” falava que não entendia porque estava em seu próprio grupo porque em comparação a outros competidores, como por exemplo Eliéser (tribo dos belos), pouco frequenta a academia. Digo isso porque com exceção dos coloridos (em que todos compartilham algo: ser gay) nenhum outro grupo realmente tem alguma coisa em comum, visto que nem todos os “sarados” são realmente sarados, tão pouco os “belos” são todos “belos”, os cabeças nem comento, e os “ligados”, bom, os “ligados”, o que viria a ser “ligado”?

A normatização do politicamente correto

Uma contribuição que as edições anteriores do Big Brother já haviam trazido foi a vilanização da homofobia. Por incrível que pareça, todavia, não se sabe até que ponto isso é realmente positivo.

É nítido que na dinâmica do programa costuma-se construir heróis e vilões, simpáticos e malditos, coitadinhos e opressores. Nessa necessidade às vezes involuntária de divisão binária e estática, podemos observar uma série de comportamentos e posturas respeitosas a homossexuais que não se configuram exatamente a favor de esclarecimento e discussão por parte dos espectadores, mas como fomento à postura moralista e politicamente correta dos mesmos.

Condenar o comportamento de um participante abertamente homofóbico não significa em momento algum a aceitação automática do filho ou filha homossexual, por exemplo. Ou seja, não existe uma correspondencia real entre os valores aplicados ao programa de televisão e a vida prática de cada espectador. Por vezes a reprodução do comportamento padrão, como de condenação a atitudes homofóbicas, só respeita a necessidade de não se mostrar inadequado ao círculo social a que se pertence, sem haver o que se mostra realmente necessário, que seria a saudavel discussão do assunto.

Obviamente são casos e casos, culminando em alguns nos quais de fato existe dialogo e mudança positiva de percepção do outro. O que já suscita a pergunta: só esses casos já não tornam a iniciativa válida? A resposta fica a critério dos parametros de cada um.

A reprodução de opiniões é muito mais simples do que a real assimilação e mudança de postura. Resta a nós não torcer necessariamente para Sérgio, Dicésar ou Angélica, e sim para que esta postura amigavel da mídia e dos telespectadores não seja efemera tal qual tudo que resta das edições do Big Brother Brasil.

O universo externo gay

Esse post foi feito com muito carinho por toda equipe do Homomento. Agora que já opinamos, também queremos saber o que os leitores pensam sobre a presença dos gays na casa do Big Brother Brasil 10.

10 respostas para Homomento discute a décima edição do BBB

  1. B. L. disse:

    Achei que a intenção do programa fosse mostrar que somos reais, mas no fim acabaram disseminando mais preconceito com essa separação entre os outros e os “coloridos”.

    Mas apesar disso, gostei dos partipantes. Escolheram bem. O garoto gay baladeiro, o drag Dicesar que tem muita história pra contar sobre as fases que passou até estar onde está e a Angélica, que é uma moça tranquila, do tipo que não faz confusão e não é como nos imaginam, certo?

    E sobre Morango no paredão? O que vocês acharam? Muitos votos contra ela, hein.. Não sei o que isso significa, se eram muitas pessoas votando pela permanência dos outros ou se ela realmente não é tão adorada aqui dentro.

    Sobre ser ou não adorada, acho difícil algum dos coloridos ganhar essa grana. O Sérgio foi destaque apenas na primeira semana; Dicesar fala bastante, mas não resiste em nenhuma das provas; Angélica nunca parece estar 100% no programa.

    Espero que os “coloridos” nos mostrem muita coisa positiva pela frente…

  2. Nana disse:

    Eu já acho que os concorrentes gays podem chegar até próximo do fim ao mínimo, tanto por terem atraído praticamente toda a população GLBT para ver o programa quanto até por héteros que são a favor dessa visão homofóbica acabar [eu mesma conheço vários assim]. E pra quem não lembra, um gay já ganhou um dos BBBs, não lembro qual deles e nem o nome do sujeito, mas era gay assumido e dava um enorme pinta, o que reforça a tese. E acho que eles realmente não quiseram só colocar os gays em um nicho, mas buscaram pessoas com as características dos grupos – uma dançarina, uma garota popular na internet [a Tessália, que tinha um dos twitters mais populares do Brasil], pessoas bonitas, a garota dona da ‘homofobia já era’, homens bonitos…Quiseram, de uma vez, atrair atenção de vários grupos, e jogaram todos exatamente pelo que buscaram.

    • B. L. disse:

      Foi o Jean que ganhou (BBB5). Mesmo programa em que a Grazi participou. Mas o contexto era outro, as pessoas começaram a isolar o cara, entende? O povo aqui ficou com pena. Fora o fato do Jean demonstrar ser um cara inteligente e bastante justo. Você consegue ver esses traços marcantes nos “coloridos”? Até agora os vejos como coadjuvantes..

      Mas ainda que eu não aposte tanto na vitória de um deles, não faço ideia de quem poderia ser o ganhador. Estão todos mais “out” do que “in”. E as únicas pessoas que estão se envolvendo em alguma coisa são Eliane e Elenita.

  3. […] Homomento discute a décima edição do BBB […]

  4. […] primeira polêmica da casa foi o fato de o BBB deste ano estar sendo conhecido como a edição Gay! Neste texto que eu já havia indicado anteriormente, questiona-se o fato de que este ano, pela primeira vez, […]

  5. Ricardo Tempora disse:

    Eu nao sou homofobico…mas vendo esses caras no BBB ta me dando raiva dessas bibas.
    São uns falsos, fracos e sem personalidade. Principalmente o Dicesar, A Elke Maravilha Careca.

    • Alex disse:

      Eles são assim porque são pessoas que nem qualquer outras, com qualiaddes e defeitos… você sugerir que pensaríamos que o seu comentário seria homofóbico não indica, de certo modo, que haja em seu inconsciente uma associação entre ser gay e ser como eles são – ‘falsos, fracos e sem personalidade’?

      E só um toque, se você se importa sinceramente com a questão de não ser homofóbico, não fique usando a palavra ‘biba’ porque ela historicamente tem uma conotação negativa, e acaba prolongando a existência da imagem negativa em nossa sociedade. Seria o aproximado de “Olha, eu não sou racista, mas estu ficando com raiva desses pretos”. Entendeu? ^^

      Respeitosamente,
      Alex.

  6. […] por ter trazido à tona alguns debates que não tinham tido espaço até então.  O pessoal do Homomento registrou no seu site o aumento das pesquisas relacionadas ao verbete “homofobia” […]

  7. […] por ter trazido à tona alguns debates que não tinham tido espaço até então.  O pessoal do Homomento registrou no seu site o aumento das pesquisas relacionadas ao verbete “homofobia” […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: