23 de setembro: dia internacional da bissexualidade

23 de setembro de 2009

Fiquei sabendo da comemoração de hoje pela revista espanhola LGBT AG Magazine. O site da revista conta que a data foi escolhida por marcar a morte de Freud, o primeiro teórico a conceber a possibilidade de existência da bissexualidade.

Foi a 23 de setembro de 1999 que se celebrou pela primeira vez essa data, durante a XXII Conferência Mundial da ILGA (International Lesbian and Gay Association) em Jogannesburgo, África do Sul, e hoje em dia se realizam atividades comemorativas em todos os continentes: dos EUA ao Japão, da Austrália à Europa.

Na sexta-feira da semana passada, o Homomento publicou seu primeiro post sobre bissexualidade, o texto Bi-bi-bi-bi, traduzido da revista mexicana Pride is Dead, que aborda o preconceito sofrido pelos bissexuais tanto na mão dos héteros quanto dos também oprimidos homos. Aproveitamos o dia de hoje para aprofundar essa discussão, abordando alguns dos principais problemas enfrentados (há muito tempo, como podemos ver nessa matéria publicada na revista Istoé em 1995) pelos bissexuais e tentando desconstruir alguns dos principais argumentos contrários à aceitação da bissexualidade.

O problema do sistema binário

É sempre importante lembrar que a construção de uma identidade sexual não depende somente da orientação do desejo. Ainda que não exista uma “escolha” da orientação sexual, a construção da identidade envolve uma influência do meio. O desejo é biológico, mas a identidade é socialmente construída. Por exemplo: os termos “heterossexual” e “homossexual” foram criados no século XIX, mas isso não quer dizer que antes disso não existissem pessoas que se relacionassem majoritariamente com um ou outro sexo. O que não havia era a denominação para um ou outro comportamento frente à orientação sexual.

O desenvolvimento de uma ciência sexual no Ocidente nos últimos séculos tratou inicialmente da sexualidade humana como uma realidade binária: existem homens e existem mulheres, existem heterossexuais e homossexuais. Branco versus preto. Os tons de cinza começam a aparecer com mais clareza quando o sexólogo Arthur Kinsey divulga sua famosa escala, que prevê uma certa gradação no desejo e no comportamento sexual. Com a publicação desse trabalho, em 1948, reconhece-se que não existem apenas dois padrões de comportamento sexual, e a sociedade descobre que a porcentagem de indivíduos que se envolve em relacionamentos sexuais com pessoas de diferentes sexos é bem maior do que se imaginava.

A escala Kinsey, com os graus de orientação sexual e a porcentagem deles na sociedade americana

A escala Kinsey, com os graus de orientação sexual e a porcentagem deles na sociedade americana

Fritz Klein, autor do livro The Bisexual Option, defende que a bissexualidade é um problema para héteros e homos à medida que ameaça a distinção clara entre uma e outra identidade sexual.

As preferências e aversões eróticas dos heterossexuais normalmente não permitem uma compreensão da homossexualidade. Homossexuais também se sentem desconcertados frente à atração por pessoas do sexo oposto. Isso cria dois campos distintos a partir dos quais bandeiras podem ser erguidas. E ainda que possam ser ameaças ideológicas uns para os outros, esses dois campos são claramente distintos. (…) [Um homem] confrontado com um homem bissexual precisa, ainda que inconscientemente, lidar com a possibilidade de que sua própria sexualidade seja ambígua. A razão pela qual ele fica aliviado ao ouvir que bissexuais não existem é que, assim, ele evita seu próprio conflito interior.

O padrão binário, contudo, deixa marcas. Até hoje, há quem não acredite na existência da bissexualidade. Frequentemente, bissexuais são estimulados (tanto por gays quanto por héteros) a “se decidirem”, como se somente as sexualidades homo e hétero fossem possíveis. Essa pressão por uma definição às vezes faz com que algumas pessoas acabem adotando identidades mais fluidas, determinando-se ora héteros, ora homos, afirmando por vias tortas que a bissexualidade não é uma fase.

Bissexualidade e descrédito

Um dos argumentos mais frequentes entre aqueles que dizem não acreditar na bissexualidade, especialmente masculina, é aquele que diz que as pessoas que se autodenominam bissexuais são na realidade homossexuais enrustidos. Recentemente, um estudo (criticado por ativistas LGBTs devido à metodologia questionável e a um posicionamento pouco isento do pesquisador) defendeu esse ponto de vista, negando a possibilidade da existência de homens bissexuais. Esse pensamento é frequente entre gays e lésbicas, que normalmente definem-se como bis na “fase da descoberta” e passam a adotar uma identidade homossexual na idade adulta.

Esse posicionamento baseado na própria experiência ignora, em primeiro lugar, que as sexualidades são diversas (o que me surpreende bastante, quando vindo de homossexuais), e que o fato de alguns homossexuais passarem por uma “fase” bissexual não quer dizer que todas as bissexualidades sejam transitórias. Além disso, é importante ressaltar que a adolescência é uma fase de definição (não só sexual, mas em todos os aspectos) para todos, e a experimentação faz parte desse processo. Por isso, é importante separar a identidade adulta, mais ponderada, das “fases” que caracterizam a adolescência. Usando um exemplo não sexual: eu me identificava politicamente como “comunista” quando tinha lá meus 14 anos. Hoje, com um pouco mais de maturidade e conhecimento, sei que nunca fui verdadeiramente comunista, o que não me impede de reconhecer a existência do comunismo real.

Afirma-se com frequência que a crescente presença de homos e bissexuais na mídia pode “influenciar” adolescentes, especialmente meninas, a experimentarem. Com isso, considera-se a bissexualidade – ou, antes, o comportamento bissexual – como uma “moda”. Essa pecha de “modinha” prejudica tanto bis como homos, mas como falei antes, a experimentação faz parte da adolescência e o melhor a fazer é aprender a lidar com isso. Se a cultura atual cria um clima favorável à experimentação, melhor – acredito que os adolescentes que experimentam hoje são os adultos bem-resolvidos do futuro.

Preconceito duplo

Por parte dos heterossexuais, os bissexuais sofrem os mesmos preconceitos que os LGT. Assim como ocorre com estes, a bissexualidade desafia a heteronormatividade, por conceber atração sexual e afetiva fora da relação com pessoa do sexo oposto. No caso das mulheres, frequentemente a sexualidade bi é aceita e a afetividade não: ao mesmo tempo que existe um fetiche masculino que fantasia com duas mulheres na cama e estimula a mulher a experimentar, uma bissexual que assumir um relacionamento afetivo com outra mulher passa pelo mesmo preconceito enfrentado pelas lésbicas. Essa questão do fetiche masculino evidencia a influência da pornografia na aceitação ou não das bissexualidades. Clarissa Carvalho, bissexual assumida, escreve:

Pode-se transar com uma amiga para excitar o namorado, mas não se pode apaixonar-se por ela. E aí, eu pergunto onde está a tal da “aceitação”? O mais interessante é que a noção de gênero está muito presente nessa forjada e hipócrita “aceitação”. Pois nas fantasias heterossexuais raramente há aceitação de homens bissexuais. (…) Muito difícil é ver relações sexuais entre homens em filmes direcionados a pessoas heterossexuais. Se homem transou com homem, acabou: é gay. Se mulher transou com mulher: obviamente ela só está excitando o expectador/a.

Ou seja: a existência desse fetiche estimula a experimentação por parte da mulher, o que leva a uma aceitação maior de sua bissexualidade, ao menos no que se refere ao sexo (conduzindo, contudo, a outra encruzilhada: quem disse que, por gostar também de mulheres, uma bissexual deve necessariamente querer participar de um ménage à trois?). Quanto aos homens, a mentalidade binária ainda se faz muito presente, e o sexismo determina que existe o macho, e o que foge disso é automaticamente classificado como gay. Isso explica por que o rótulo de “homo enrustido” é aplicado com mais frequência aos homens bissexuais.

Da parte dos homossexuais, os bis são discriminados através do descrédito, como já exposto, e pela ideia de que ao assumirem uma relação heterossexual, socialmente aceita, estariam procurando um meio de fugir da discriminação. Ainda do texto de Clarissa Carvalho:

Quem diz que ser bi é mais aceito é porque não entende o que é ser bi. A questão aqui não é se eu não sou discriminada quando estou com um homem, a questão é entender como que o meu desejo funciona. E te digo, meu desejo não é heterossexual de dia no restaurante com a família e homossexual à noite na boate “GLS”.

Associação entre bissexualidade e promiscuidade

Partindo de uma “normalidade” heterossexual, só é possível compreender as outras sexualidades através do que as diferencia, ou seja, do comportamento sexual. Assim, a explicação da identidade sexual através do desejo leva a uma associação entre sexualidade e sexo, criando uma visão dos não heterossexuais como indivíduos hipersexualizados. Quando a atração ocorre pelos dois sexos, o estigma da promiscuidade se torna maior, e esse é provavelmente um dos principais traços da bifobia.

Assim, é necessário questionar a máxima de que “para bissexuais, todo mundo é um amante em potencial”. Seria a mesma coisa que dizer “para uma mulher hétero, todo homem é um amante em potencial”. Amantes em potencial são definidos pelos gostos e histórias próprias de cada pessoa, e não pela identidade sexual a que ela se atribuiu.

Essa associação da bissexualidade ao comportamento promíscuo leva também a outro equívoco, aquele que diz que “bissexuais nunca estão satisfeitos com o parceiro”, que “sempre lhes falta alguma coisa” e que, em virtude disso, eles traem ou abandonam o parceiro com mais facilidade. Em qualquer relacionamento, seja hétero ou homo, existem pessoas diferentes do parceiro, e invariavelmente haverá alguma atração por outras pessoas, quer se admita ou não. Uma tara por loiros não vai fazer ninguém trair o namorado negro, certo? No caso dos bissexuais, o desconforto em lidar com um parceiro que se admita atraído por pessoas de ambos os sexos, motivado em parte por insegurança e em parte por preconceito, pode acabar sepultando relacionamentos que tinham tudo para dar certo.

O futuro é bissexual

Antes da invenção do termo “bissexualidade”, o que se via nesses indivíduos eram “heterossexuais predominantes com tendências homossexuais”. Hoje, falamos em L, G, B e T, mas as identidades sexuais passam por uma pulverização cada vez maior, incluindo até a possibilidade de não ostentar nenhum rótulo. Isso se torna cada vez mais frequente (e, dizem alguns, essa é a tendência para o futuro) entre pessoas que, ainda que se relacionem mais frequentemente com um ou outro sexo, eventualmente sentem desejo por indivíduos do outro e não veem problema nisso, sem necessariamente assumir uma identidade bissexual.

Existem sim o bissexual da modinha, o bissexual que na verdade é homo enrustido, o bissexual do fetiche. Mas existe também o bissexual adulto, esclarecido, sem preconceitos na hora de se apaixonar e de se relacionar sexualmente. A luta dos LGBTs é, antes de tudo, uma luta contra a heteronormatividade, e não pode se restringir à defesa de uma ou outra identidade. Antes disso, nosso objetivo deve ser a defesa de toda sexualidade sadia, que se manifeste consensualmente entre adultos, sem julgar motivos ou tentar decidir se o desejo do outro é verdadeiro ou não.

(Post escrito com apoio e pesquisa – tão grandes quanto o texto – do Pedro.)


Bi-bi-bi-bi

18 de setembro de 2009

A tradução dessa semana é de um artigo da revista mexicana The Beef, que propõe um novo modelo de revista para homens gays. Esteticamente, a revista é bem interessante, com fotos conceituais mostrando corpos comuns de homem, não o padrão musculoso da maioria dos nus. A publicação é vinculada ao projeto Pride is Dead, que defende

Um novo ativismo, mas em que o significado do prefixo é o mesmo que teria o anti-herói da ficção contemporânea: chegar aos mesmos fins de maneiras pouco ou nada ortodoxas. Não queremos paradas. Nos recusamos a ser rotulados. Não queremos estar na mídia para induzir os outros ao erro de seguir o lado corporativo da mídia, e agir como se essa fosse a única verdade.

A revista com o artigo original pode ser visualizada online ou salva em formato PDF, e a tradução foi feita pela Mota. A dica original do Pride is Dead foi postada no HJE.

A visualização online permite ver a diagramação original do artigo na revista

A visualização online permite ver como o artigo fica na revista

Bi-bi-bi-bi
por Michael Me

Meu amigo David quer fazer camisetas que digam: “Discriminação – Como o sexo, os bissexuais a recebem de todos os lados”. E assim é. Muitos gays acreditam que bissexuais são pesssoas que não tem coragem de se identificar como homossexuais, já os heterossexuais acham que somos mais depravados que os gays por fazermos sexo com homens e mulheres. E para mim, viver com estas tensões nunca tornou minha sexualidade simples, básica ou de fácil determinação. Porém, é algo que expresso em meu trabalho como artista plástico há muito tempo, mesmo que às vezes eu não perceba.

Desde pequeno me senti atraído por mulheres, não só fisicamente, mas também por seus modos de ser e pensar. Sempre preferi brincar com elas, falar com elas, e tê-las como amigas. Estava na segunda série quando pela primeira vez me senti atraído por uma mulher, em parte por que sou um homem muito sensível e tinha uma ligação sentimental com ela, mas agora vejo, que o fato de ser bissexual também me conecta ao lado feminino.

Nunca entendi porque a sociedade olha para a sexualidade não-heterossexual como algo de ruim. Somos todos humanos, diferentes, é claro, mas iguais em nossa humanidade. Durante esse tempo não me senti atraído por homens, e não me identificava como gay/bissexual, mas me deixava muito triste ir à missa todo domingo e escutar a vida homossexual sendo retratada como doentia.

Fiquei cansado/doente da hipocrisia dessas mesmas vozes que cantava “Glória a Deus”, que falavam do amor ao próximo e depois diziam que Deus criou todos nós, mas que alguns de nós são lixo. Me dói da mesma maneira quando vejo filmes antigos da escravidão nos Estados Unidos. Não sou afro-descendente, mas me entristece conceber que meus país tenha permitido algo assim.

Não pensava muito em minha sexualidade e nem a entendia, até que na universidade me apaixonei por uma mulher bissexual. Ficamos juntos por muitos anos e agora ela é minha melhor amiga. Ela colaborou muito com meu autoconhecimento e desenvolvimento como artista, como por exemplo, quando anos mais tarde me relacionei com meu primeiro homem.

Me conheci muito – e, como sempre nos conhecemos melhor por olhos externos (mais pelos relacionamentos amorosos) – pela dualidade de minha sexualidade tive a oportunidade de conhecer duas pessoas tão diferentes. Algo que eu não entendia e temia tanto, ser bissexual, abriu mais possibilidades em minha vida. E sou grato por esta experiência.

Aprecio tudo que passei, tive tempos de incertezas e dificuldades, mas realmente conheci os dois lados: e com sinceridade. Dividir a cama com alguém, gargalhar acompanhado ou chorar na rua após ter um coração partido. Todos os momentos são reais e significativos, independentemente se passados com um homem ou uma mulher.

Mesmo que às vezes minhas ações traiam meu pensamento, acredito de coração que sou um ativista. Mesmo que eu lute sutilmente para opinar por meio de minha arte, se existe alguma injustiça social, me sinto triste e um pouco culpado pelos atos de meus próprios irmãos. Como artista mesmo que não pinte autorretratos, tudo que faço se torna um autorretrato. Detalhes de nossas vidas são refletidos em tudo que criamos. Desta maneira, embora eu não fale diretamente sobre minha sexualidade, ela está por todos os lados.