Destaque da semana: RJ é o melhor destino de turismo gay no mundo

8 de novembro de 2009

Um mês depois de ser eleita sede das Olimpíadas de 2016 e no dia seguinte à sua 14ª Parada  do Orgulho LGBT, a cidade do Rio de Janeiro recebeu uma notícia que une os gays e o reconhecimento internacional. O Rio recebeu o título de melhor destino internacional para turismo gay no Trip Out Travel Awards, prêmio promovido pela Logo TV, emissora voltada para o público homossexual.

Parada Rio

De acordo com os organizadores, a Parada realizada no domingo passado atraiu 1 milhão de pessoas

A eleição foi decidida através de votos ao redor do mundo. Em sua página no site do prêmio, são enumeradas algumas características do Rio que devem ter colaborado para sua vitória: ainda que o deslocamento pela noite carioca não seja dos mais seguros, o custo total da viagem é menor do que para destinos nos EUA ou na Europa. Sem contar as belezas naturais e a famosa liberalidade brasileira… Como é de bom tom, a Prefeitura do Rio ignorou o esterótipo de nossa sensualidade morena, sem deixar de destacar outra das facetas da brasilidade: a hospitalidade.

“O título de melhor destino gay é mais um reconhecimento da hospitalidade do nosso povo, que faz todos os visitantes se sentirem em casa. É um prazer e orgulho ser o prefeito de uma cidade acolhedora que respeita e valoriza as diferenças”, disse o [a assessoria do] prefeito. (Via G1)

É interessante confrontarmos essa avaliação com os dados coletados por um estudo, também divulgado nessa semana, que aponta a falta de informações turísticas LGBT como um dos principais problemas enfrentados pelos estrangeiros gays no Rio. Ou seja, o maior destino para turismo gay no mundo não tem uma estrutura de informação totalmente adequada para seus visitantes. A hospitalidade reside mais na nossa tolerância às diferenças do que à valorização delas.

rio melhor destino gay cartazSe houvesse verdadeira valorização – se não valorização, o mínimo respeito – pelos LGBTs na cidade do Rio, seria improvável o número de uma vítima de homofobia violenta por dia nos morros fluminenses. O clima de acolhimento, a atmosfera gay-friendly pertencem muito mais aos ricos turistas gays que circulam pela Farme de Amoedo do que à população da cidade. Pudera, como não ser tolerante com essa parcela de 25% dos turistas estrangeiros que gastam, na média, o dobro do que a maiora dos visitantes? (Os dados ainda são do estudo de Bayard Boiteux e Mauricio Werner, que encontramos através do Dolado).

Não temos argumentos para contestar a votação. Se LGBTs ao redor do mundo consideram o Rio de Janeiro um destino que vale a pena, eles devem estar certos. Uma cidade barata, bonita e divertida merece mesmo o título de melhor local para visitar (e acreditem, não há nenhuma centelha de inveja gaúcha nisso que digo). Só acho que nós, brasileiros de todos os cantos, não precisamos ser tão festivos com esse anúncio. Não somos turistas. E, a não ser para os economicamente privilegiados, não estamos tão expostos assim à ambivalente busca de respeito através do pink money.

Isso não quer dizer que eu não veja coisas boas na conquista desse título. Espero que o recebimento do prêmio cumpra pelo menos o básico, e leve a uma maior valorização dos turistas gays, refletida em uma estrutura de atendimento mais consistente. Como insisto em ter esperança, espero também que a tolerância às diferenças deixe de valorizar a origem da bandeira do cartão de crédito. Quem sabe um dia o Rio de Janeiro deixe de ser “só” a melhor cidade para os turistas gays e se torne uma boa cidade para os LGBTs cariocas…

Rumo a esse dia, um outro anúncio de teor simbólico também mereceu destaque nessa semana. Antes da Parada, no domingo que antecedeu a premiação, o prefeito Eduardo Paes entregou a chave da cidade para Gilza Rodrigues, presidente do Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT. “Deixo a cidade em suas mãos”, disse o prefeito.

Anúncios

Nova York focada

15 de abril de 2009

Após as declarações do governador David Paterson solicitando o reconhecimento do casamento gay no estado de Nova York, mesmo que tendo forte oposição dentro do senado, agora surge Christine Callaghan Quinn (ativista e importante nome do governo) junto com George Fertitta (conhecido como czar do turismo) anunciando uma campanha integrada de marketing e comunicação promovendo o turismo gay à cidade de Nova York, visando comemorar os 40 anos da “Rebelião de Stonewall” (28 de julho de 1969).

A campanha que já começou a ser veiculada dia 13 de abril no país e no Canadá acaba por focar na expansão do mercado gay, aliando a memória da rebelião de 1969 à fomentação do turismo e da economia em momento tão delicado, onde nove entre cada dez palavras noticiadas é crise mundial e suas variantes.

Junto com a campanha a cidade reivindica o status de berço do movimento LGBT, onde, palavras de Christine Quinn:
A cidade de Nova York é o local de nascimento do movimento pelos direitos dos homossexuais. E sempre atraiu visitantes da comunidade gay de todas as partes do mundo. O 40º aniversário da Rebelião de Stonewall comemorada esse ano é um motivo a mais para vir e celebrar a história da comunidade LGBT.
Em seu discurso George Fertitta colocou Nova York já como destino símbolo do turismo gay, mas que o momento seria propicio para valorizar ainda mais a cidade e tudo que ela tem a oferecer para o turista.

Mas o alvo da campanha não se restringe aos Estados Unidos e vizinhos, até o fim de abril a mesma campanha será divulgada em países como Espanha e também no Reino Unido. A iniciativa terá o investimento total previsto de 1,9 milhões de dólares, que serão investidos na infra-estrutura e na divulgação, como em banners pela cidade e um espaço na edição do mês de julho dentro da revista mais vendida voltada para o público gay do país, a Out.

Porém, não basta só planejar a viagem ou comemorar o fato, resta agora ficar atento também aos resultados em relação ao pedido do governador a favor do casamento gay, se o apelo do democrata se concretiza ou se é abafado mais uma vez, pois se assim for continuará sendo mais importante olhar para 1969 do que para 2009.

(atualização: David Paterson anunciou hoje (15.04.09) que apresentará uma proposta de lei para autorizar o casamento gay no estado)